Estranhas aletas verticais na Williams

A Williams testou nos últimos treinos uma atualização no conjunto de aletas localizadas abaixo do chassi, entre o conjunto da suspensão dianteira, a qual passou de 2 para 3 elementos verticais em sua configuração.

Tais aletas são responsáveis por captar o máximo de ar ( seta amarela ) que passa abaixo do F1, concentrar, estabilizar e direcionar tudo para a bandeja T, assoalho e principalmente para o difusor traseiro, melhorando a aerodinâmica do F1. Até ai nenhuma novidade.

Mas alguns itens em seu design chamaram a atenção. Seu formato apresenta características um tanto peculiares e estranhas eu diria.... Por exemplo, os encaixes superiores de fixação no chassi são mais longos apresentando claramente uma separação reta entre o conjunto de aletas e os pilares de sustentação. Outro ponto são os estranhos rebaixos no meio de cada aleta, tornando-as côncavas até a metade de sua altura. E o mais importante, aparentemente a  espessura de cada aleta é um pouco maior que o normal. Por que este formato intrincado? Seria apenas para maximizar a aerodinâmica?
Sim, claro, mas acho que a coisa não para por ai.


Quando a vi lembrei imediatamente de um artigo que havia escrito em 15/10/11  
(  http://designerbira.blogspot.com.br/2012/10/amortecedor-de-massa-em-palheta.html  ). 

Misturando ideias de dispositivos antigos com as restrições de regulamento, abordei possíveis futuros dispositivos estranhos que poderiam surgir na F1. Em um tempo espaço fictício talvez, algo plausível, mas improvável .....Porém parece que a coisa não é tão improvável assim....

Do que me refiro? Este conjunto pode ser um possível dispositivo 2 em 1, ou seja, um "amortecedor de massa" disfarçado de aletas verticais debaixo do F1.

Noooossa Bira, ai vc viajou......kkkkk.


Se vc gosta de assuntos técnicos da F1, isso é um prato cheio para novas pesquisas e exercícios mentais.

Basta ler os sinais, refinar o olhar ( veja a mulher de vermelho no código da Matrix F1 meu querido Neil...rsrrsrs).

Na F1 nada é exatamente o que parece ser. 
Ideias antigas são constantemente recicladas....Ex: bico da RBR em 2012, quando o mecânico foi trocar o conjunto nos boxes e ao segura-lo, a ponta amarela do bico amassou, parecendo de borracha, lembra? Então, aquilo na verdade era um dispositivo com dupla função, Amortecedor de massa e asa dianteira ( citado em alguns sites técnicos na época ). Uma das sacadas mais geniais de Adrian Newey. O amortecedor de massa estava na cara de todos mas ninguém via, ou seja toda a asa e o bico eram o conjunto do dispositivo, fazendo o movimento de pêndulo. Até aquele mecânico entregar a sacada... E outra mais antiga ainda, na verdade onde tudo começou. Alonso na Renaut em 2006, seu carro tinha um amortecedor de massa. E onde foi instalado? Adivinha....Praticamente na mesma posição das aletas da Williams, mas só que uma peça instalada dentro do bico do F1.  

Bom, o que vejo naquele possível dispositivo da Williams é que as aletas podem ser preenchidas internamente com um material mais denso e pesado ( dai sua espessura e formato), sendo ligadas internamente ao chassi por elementos não tão rígidos ( levemente flexíveis). E articuladas na fenda de ligação, deslizando para cima e para baixo nos pilares de fixação 
( setas laranjas ).

E como funcionaria na pista?

Além da função aerodinâmica, quando o F1 freia, sua frente abaixa, e as aletas sobem. Quando o F1 acelera, a frente levanta, e as aletas descem, tudo em um pequeno movimento de pêndulo vertical (milímetros talvez), leve, sutil, sem alardes, neutralizando assim as oscilações da suspensão. E por sua posição escondida, sem câmeras pegando durante a corrida, a coisa vai ser bemmm difícil de detectar. E digo mais, o dispositivo pode ser liberado por indução de calor dos freios, tipo, quando o F1 está parado e frio, as aletas estão rígidas, travadas. Quando é aplicado calor no conjunto durante as frenagens, os encaixes expandem, criando uma pequena folga para as aletas deslizarem para cima e para baixo durante a corrida. Simples, viável e imperceptível pelos testes da FIA. Se isto realmente estiver lá ( e nunca saberemos ao certo...), pode ser uma das maiores sacadas da Williams nesta temporada.

Mas para que serve isso?

Um amortecedor de massa é normalmente empregado em pontes e edifícios, o assunto é grande e técnico, então sugiro pesquisar no google.

Em um carro de F1 serve exatamente para minimizar ou até anular o movimento de oscilação da suspensão, fazendo com que a altura do carro se mantenha praticamente a mesma durante toda a volta, mexendo o mínimo possível com o fluxo de ar que passa sob o F1. Se conseguirem isso, bingo....., a volta será fantástica ( ou seja, o mesmo efeito da antiga suspensão ativa ). 

E também com as proibições feitas no uso daquele dispositivo FRIC que as equipes como Mercedes e várias outras usavam na suspensão, acho que a Williams apelou para esta criação meio fora dos padrões. É claro que são apenas suposições, mas na F1, se a coisa ganhar 1 décimo que seja, por que não usar.  E como Adrian já se arriscou usando algo parecido na asa e bico da RBR, por que não a Williams se arriscar usando este efeito em suas aletas também? Posição e disfarce perfeitos para isso não faltam. 

Se fosse eu, instalava isso o mais rápido possível, disfarçadamente só no carro do Filipe, é claro......rsrs.


Autor: Ubiratan Bizarro Costa

contato@bizarrodesign.com.br

Comentários

  1. Adoro pessoas q pensam... Pensam... Pensam... E tratam tudo como um quebra cabeças! Usam tudo q tem a mão p imaginar algo novo, sensacional o artigo!!! Pqp, gostei cara!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

VEJA TAMBÉM:

A teoria do possível "segredo" da asa traseira da Ferrari

O ACIDENTE DE MASSA E A MORTE DE AYRTON SENNA PODERIAM TER SIDO EVITADOS COM O USO DO PCP?

Reunião com Charlie Whiting FIA Interlagos 2017

OPÇÃO PCP FRONTAL, simples, prático e objetivo.

Estranho dispositivo no assoalho da Ferrari 2017

Design de Protetores de cockpit tipo ESCUDO