W DUCT DE PONTA DE ASA 2 ( atualização ).


Eu já havia explicado o funcionamento deste dispositivo nesta minha matéria da semana passada. 


Agora criei outra forma mais camuflada e eficiente de se obter o efeito do antigo WDUCT desenvolvido anteriormente pela Mercedes.
O que fiz desta vez foi simplificar ainda mais o sistema. Ou seja, pegar o mesmo tipo de entrada de ar que havia na ponta do nariz do F1 e dividi-lo em dois, para funcionar um em cada ponta da asa dianteira.
O conceito de alimentação do ar frontal e laterais continuam os mesmos ( seta laranja e azul ), só mudam as formas das pequenas entradas de ar nas pontas da asa ( destacado em amarelo ), que agora passam a ficar dentro de um pequeno duto com divisões internas, mostradas no detalhe em corte ( praticamente as mesmas da antiga entrada de ar do bico do F1).

Só lembrando que a "posição" destas entradas de ar não são aleatórias e estéticas. São o "coração" do dispositivo.

Como assim?

Quando o F1 está nas retas o ar entra frontal estolando as aletas superiores "A". Mas quando está nas curvas, o ar entra mais de lado estolando a base da asa "B", até ai tudo certo. Ai é que está o detalhe deste dispositivo. Quando a asa está virada mais de lado para o vento, a grande aba retangular da ponta da asa praticamente impede que o ar entre na entrada do dispositivo do outro lado da asa. Isso faz com que apenas o lado virado diretamente para o vento funcione, e o outro não. Se as entradas fossem no bordo de ataque, ou em outro lugar mais frontal por exemplo, as duas receberiam o ar direto e funcionariam ao mesmo tempo em praticamente todas as partes da asa, destruindo o efeito do dispositivo ( e quem sabe até o F1 no muro ).  
Ou seja, é o que faz o dispositivo ligar e desligar. 

É claro que muitos testes precisariam ser feitos, mas este caminho é o mais viável até agora, já que tudo já está lá, é só remanejar as partes para funcionarem no novo regulamento ( que agora proíbe o uso da entrada de ar do bico com fins aerodinâmicos ). 



Então, a probabilidade de êxito deste dispositivo fica ainda maior, já que conserva as mesmas funcionalidades
de antes, só mudando parte da forma de construção e aplicação para os F1 de 2013.

Vamos ver qual equipe se arrisca primeiro neste possível conceito......rsrsr. 


Autor: Ubiratan Bizarro Costa
designer industrial automobilístico
@biradesigner2

Comentários

VEJA TAMBÉM:

Reunião com Charlie Whiting FIA Interlagos 2017

A teoria do possível "segredo" da asa traseira da Ferrari

COCKPIT F1 BD

O ACIDENTE DE MASSA E A MORTE DE AYRTON SENNA PODERIAM TER SIDO EVITADOS COM O USO DO PCP?

Design de Protetores de cockpit tipo ESCUDO

PCP TARGA