NOVO MODELO DE WDUCT DA MERCEDES

Com as mudanças do regulamento no início de 2013, um dispositivo criado pela Mercedes acabou sendo meio que abandonado, o WDUCT da asa dianteira. Então em Janeiro fiz uma matéria falando das possíveis formas de uso deste dispositivo caso ele viesse a ser usado este ano.

E eis que no último GP da Bélgica, a Mercedes testou um dispositivo que muito provavelmente, por sua aparência e localização, seria uma nova tentativa de reativar o antigo WDUCT de asa dianteira.

Abaixo do bico, nas laterais internas dos postes verticais da asa dianteira ( como eu havia alertado na antiga matéria - ver link abaixo ), a Mercedes supostamente instalou duas pequenas entradas de ar, "fendas" quase imperceptíveis, mas muito chamativas aos olhos dos projetistas rivais de grid.


Então, para entender melhor, fiz esta ilustração de como pode ser o funcionamento da parte interna desse suposto novo WDUCT no bico da Mercedes:





Quando o F1 está em uma reta, o ar entra RETO, acelerado pelas DUAS pequenas entradas verticais ( destacadas em laranja ) , onde são direcionados por canais e pequenos tubos para ambos os lados da BASE da asa dianteira ( setas azuis) , "estolando" sua base como um todo ( linhas azuis ), tornando assim parte da carga de downforce frontal menor.

Menos peso, maior velocidade final ( mais ou menos o mesmo efeito da asa móvel traseira ).
Mas quando o F1 entra em uma curva para a esquerda por exemplo, a "fenda" exposta ao vento ( seta vermelha ) joga o ar apenas para a aleta superior do lado esquerdo da asa dianteira ( linha vermelha ), soprando e estolando apenas o lado que está de encontro direto com o ar , diminuindo assim o downforce naquela área, tornando mais fácil e rápido de se fazer a curva.

Então de frente sopra os dois lados da base simultaneamente, mas nas curvas apenas o lado desejado.

Mas se o dispositivo é passivo, ou seja, não é controlado pelo piloto, como a asa dianteira sabe que lado deve estolar, anulando o outro?

Ai é que está a simplicidade e engenhosidade do dispositivo.

Como as fendas foram previamente postas na vertical, levemente afastadas da borda, ficando mais para dentro dos postes centrais, quando o F1 entra na curva, o poste virado diretamente para o lado da curva, impede que o ar entre naquela fenda, deixando apenas a fenda do outro poste exposta ao vento, a qual é a correta para estolar naquele momento ( seta vermelha ).

Ou seja, é quase como um interruptor LIGA DESLIGA do WDUCT da asa dianteira.

Para entender melhor, leia as matérias anteriores, o que muda é apenas a fenda de entrada, o resto do dispositivo e seu efeito é sempre igual ao primeiro modelo desenvolvido pela Mercedes nos campeonatos passados.

http://tazio.uol.com.br/blog/telemetria/w-duto-de-ponta-de-asa-novidade-para-2013/

http://www.designerbira.blogspot.com.br/2013_01_29_archive.html

Mas por que a Mercedes estaria usando isso novamente?

Com o regulamento de 2014, muito da eficiência aerodinâmica atual será perdida no design mais enxuto dos futuros carros V6 turbo. Sendo assim, as equipes já estão se mexendo para criarem dispositivos que de alguma forma ainda conservem parte do downforce atual, ajudando o piloto ainda que minimamente....

Então, na busca por eficiência para a próxima temporada, idéias antigas poderão ser retomadas com roupagens novas, e a Mercedes, além das outras, já estão se precavendo testando tudo que der nos próximos GPs.

Fique de olho.


Autor: Ubiratan Bizarro Costa
designer industrial automobilístico
@biradesigner2

Comentários

  1. Muito boa a matéria Ubiratan, talvez esse dispositivo possa ser ate comparado de certa forma com um sistema de freios que a Maclaren utilizou no final da década de 90, tentei achar uma reportagem sobre o assunto na web mas nao consegui,mas creio eu que foi em 1998 ou 1999. FUNCIONAMENTO:Dentro do cokpit do carro da Maclaren tinha 3 pedais, ao ínvéz de 2 que era o mais normal dos carros de f-1 na época, um era o acelerador (logico....rs) os outros dois eram os freios, ai vc pergunta" pq dois pedais de freios?", bom Quando o piloto realizava uma curva para a esquerda ele acionava o pedal que bloqueava as rodas do lado direito,e virçe-verça. Com esse sistema o carro contornava as curvas de uma forma mais rapida e no final de uma volta o saldo era positivo, esse sistema de frenagem e similar a de um TRATOR.E logo apos o GP do Brasil ele foi banido,ate então o GP BRASIL de F-1 era realizado no inicio do Campeonato,geralmente era a segunda ou terceira corrida do ano.
    Bom ai algum desavisado vai perguntar (Oque o freio do carro da Maclaren no final da década de 90 tem aver com o WDUCT que a Mercedez voltou a utilizar em pleno ano 2013), uma das questões que ficou no ar foi ,como a asa dianteira sabe que lado ela deve estolar?Vamos a uma possível resposta , (visto o volante do carro, quando o piloto virar o volante e ele estiver em uma determinada posição o orifício si abrira ou fechara.Exemplo virou para a esquerda fecha o orificio da esquerda ou virou para a direita fecha o da direita), talvez eu devo ate estar falando lorota ,mas essa foi uma ideia que eu achei ser possível.

    ResponderExcluir
  2. Interessante esse sistema dos freios, e como sempre é banido...rsrrsr.
    Acho que a idéia do sistema no volante também seria possível, mas não sei se passaria pelo regulamento. Seria como a briga do antigo DRS da asa dianteira que a Mercedes criou ( semelhante a esse ) que , quando o piloto acionava o DRS, liberava uma pequena abertura na asa traseira para alimentar a asa dianteira. Também foi banido. Esse sistema da matéria funciona com o ângulo e direção do vento soprando as pequenas entradas. Nas curvas, uma entrada fica meio encoberta pelo poste central, e a outra fica livre recebendo todo o ar favorecendo e acionando o sistema daquele lado. É estranho mas eficiênte.....vl

    ResponderExcluir
  3. Muito legal Bira, eu olhei esse desenho varias vs para tentar não cometer nenhum erro na hora de tc comentários, mas como não sou engenheiro e nem projetista acabei me equivocando, pois bem, então a fenda nao e fechada pq ela esta na parte de dentro do poste centra e sim encoberta quando o carro contorna uma curva, muito boa essa ideia como sempre genial.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

VEJA TAMBÉM:

Reunião com Charlie Whiting FIA Interlagos 2017

A teoria do possível "segredo" da asa traseira da Ferrari

COCKPIT F1 BD

O ACIDENTE DE MASSA E A MORTE DE AYRTON SENNA PODERIAM TER SIDO EVITADOS COM O USO DO PCP?

Design de Protetores de cockpit tipo ESCUDO

PCP TARGA