FUNCIONAMENTO BANCO DE MACACO

É bem legal ficar olhando um carro de F1, cheio de detalhes técnicos
aerodinâmicos, etc, etc.
Mas tem muitas partes estranhas que nem sempre dá pra saber 

para que servem exatamente.
Por exemplo, você sabe como funciona um banco de macaco no F1?
Pode parecer outra asa miniatura dentro da asa grande para aumentar
ainda mais o downforce do F1.
É e não é.....

Como assim?

Existem vários tipos de "banco de macaco", uns mais retos imitando
pequenas asas traseiras, outros mais curvos com placas laterais, curvos
sem placas, etc, etc.

Então resolvi mostrar mais ou menos como esse dispositivo teoricamente funciona. É um efeito aerodinâmico um pouco complexo para explicar, mas tentei simplificar ao máximo aqui, espero que ajude.
Fiz uma modelagem e simulação básica em CFD para visualizar melhor este efeito. 
E depois de horas analisando seu funcionamento, comprovei que existia muito mais do que eu imaginava em minha teoria.
A coisa funciona mais ou menos assim:

Parte do ar que passa por dentro da asa traseira, na parte central, é desviado para cima pelo banco de macaco.
Esse ar é jogado na parte de baixo da asa superior do aerofólio traseiro (vide ilustração em CFD) criando um vórtice giratório, um tipo de bolha em redemoinho logo atrás da parte de cima da asa traseira.






Então quanto mais ar acelerado passar por baixo do perfil da asa, menor será sua 
pressão, o que empurra a asa para baixo, ou seja, o efeito da asa de avião de cabeça para baixo. Quanto mais downforce empurrar a traseira do F1 para baixo, maior será a aderência de seus pneus na pista, e maior será sua velocidade. BINGO....
Isso era o que eu "enxergava" no banco de macaco até estudar melhor as imagens e gráficos de meu teste em CFD.
Descobri que a coisa não para por ai. Existe um segundo e maior efeito aerodinâmico por trás deste dispositivo.
A tal bolha de ar giratória empurra ainda mais o ar que passa por cima da asa traseira, criando uma rampa de ar ainda maior da asa, aumentando seu downforce. 
É como se inclinassem ainda mais o perfil da asa superior traseira, maior inclinação, maior seu downforce (um tipo de Gurney, a mesma pequena cantoneira que usam na borda do perfil da asa traseira, só que com efeito gigante )
Como não é permitido, então usa-se o banco de macaco. simples e genial.
E nos modelos com aletas curvas, vejo que a tentativa é rebater o ar para cima e espalha-lo não só no centro, mas também para as laterais, teoricamente cobrindo uma área maior da parte de baixo da asa superior, criando uma bolha de ar mais larga,
o que aumentaria ainda mais o ganho de downforce na traseira do F1.

É mais ou menos essa a teoria do banco de macaco, porém com muitos
outros detalhes técnicos, milimétricos, complexos e precisos que nunca
saberemos ao certo, mas a ideia geral básica está ai.

Espero que tenha ajudado a entender melhor aquele monte de aletas e
asinhas espalhadas pelo F1.
Depois faço mais matérias mostrando os efeitos aerodinâmicos de outras partes
escondidas do F1, tipo fundo, bandeja T, etc. 
Assim, quando vc assistir as corridas, dará pra entender melhor o que uma equipe está testando de inovação aerodinâmica nas pistas pra tentar ganhar da concorrência, fiquem ligados...



Comentários

VEJA TAMBÉM:

A teoria do possível "segredo" da asa traseira da Ferrari

PCP TARGA

Estranho dispositivo no assoalho da Ferrari 2017

Dispositivo ISB - Indy Speed Brakes

Design de Protetores de cockpit tipo ESCUDO

Reunião Charlie Whiting FIA em Interlagos 2016